Buscar
  • Haline Floriano

Desgoverno

Eduardo Seino e Fábio de Andrade Sousa


Diante das consequências trágicas impostas pela pandemia do novo coronavírus, seja no âmbito da economia ou da saúde pública – com a morte de milhares de pessoas e sem qualquer diretriz clara por parte do Ministério da Saúde, o pífio desempenho do governo Bolsonaro pode ser visto por diversos prismas. Ficaremos com a questão da dificuldade de articulação política do Executivo com o Congresso Nacional, mas utilizando como exemplo uma agenda complexa e que deve ser enfrentada sem mais protelações: a Reforma Tributária.



Existem duas Propostas de Emenda à Constituição, uma na Câmara dos Deputados (PEC 45/2019) e outra no Senado (PEC 110/2019) que, sem entrar no mérito dos conteúdos, já passaram por análises de natureza técnica e, a partir disso, alternativas aos pontos mais críticos vêm sendo debatidas.



Diferentemente do que ocorreu com a proposta de Reforma da Previdência, ou seja, quando em 20 de fevereiro de 2019, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes foram pessoalmente ao Congresso Nacional entregar a PEC que alterou o sistema previdenciário brasileiro, tal exercício de liderança do Executivo na agenda da reforma do sistema tributário ocorre de forma tímida. A despeito do cenário caótico que estamos vivendo, reformas estruturais, como a tributária, encontraram ambiente favorável entre atores políticos relevantes. Mais uma vez, parece que o Legislativo sacode para ver se o Executivo reage.



Assim, na última quinta-feira, dia 16, em evento de retomada dos trabalhos da Comissão da reforma tributária na Câmara Federal, deputados uniram vozes em favor do andamento da reforma. O presidente Rodrigo Maia (DEM), por sua vez, ao afirmar a importância da aprovação dessa agenda em conjunto com o Senado e o Executivo, já pressiona para que o Governo Federal envie logo a sua proposta, a fim de que possa se juntar às demais PEC nas análises.



Dentro de processos decisórios, como nos ensina Charles Lindblom[1], as ações estratégicas dos atores nos jogos do poder possuem em seus repertórios processos de interação entre os pares, ou seja, opiniões divergentes que buscam um ajuste mútuo para a existência de acordos e um reajuste da proposta inicial para algo realista, que contemple o maior número de adesões.



Nesse sentido, importante lembrar que, em uma tentativa de reaproximação, Paulo Guedes teve longa conversa sobre a reforma tributária com Maia, na quarta-feira, dia 15, sem a presença de Bolsonaro. Talvez o presidente da República tenha avaliado a pauta pouco importante e indigna da sua presença. Ainda assim, a promessa é que a proposta do Governo Federal seja enviada esta semana ao Legislativo.



O protagonismo do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), não é simplesmente uma estratégia de minar ou rivalizar com o Executivo. O problema é mais grave, porque o padrão desleixado do governo Bolsonaro abdica da essencial (mas inexistente) liderança política do presidente, que quando resolve aparecer é para dar mal exemplo ou falar bobagem. Sabemos que na política não existe vácuo. Ao contrário, existe uma demanda muito grande, mais uma vez em referência a Lindblom, de lideranças que consigam mediar conflitos de interesses e inserir suas pautas em conjunto com as demais demandas em disputa.



Ao longo das últimas décadas, o presidencialismo de coalizão conseguiu viabilizar decisões em políticas públicas importantes, tendo como marca a coordenação política do Executivo. O “desgoverno presidencial” cria empecilhos, mas não torna o sistema inoperante. Assim, enquanto durar este contexto, o Congresso Nacional tende a continuar em destaque por meio da ação de lideranças forjadas pelas circunstâncias.



Pois, como diria o provérbio capiau citado por Guimarães Rosa, em Sagarana, o “sapo não pula por boniteza, mas, porém, por precisão.” Do mesmo modo, líderes políticos não ascendem por “boniteza” ou autoafirmação, mas porque precisam se movimentar e tomar decisões (gostemos ou não).


[1] LINDBLOM, Charles Edward. O processo de decisão política. Tradução Sérgio Bath. Brasília. Editora Universidade de Brasília (UnB), 1981.


Palavras-chave: Movimento Voto Consciente, Poder Legislativo, Poder Executivo, pandemia, coronavírus, Ministério da Saúde, Bolsonaro, Congresso Nacional, reforma tributária, Paulo Guedes, presidencialismo de coalisão, Rodrigo Maia, Governo Federal.

17 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

©2018 by Mandato Ativo